7, 70, 700 - ou das coisas que fazemos pelo bem que terminam em mal.


Um dos ditos populares que sempre me magoaram foi aquela máxima que dava conta de que, em sente dó, ou pena do coitado acaba no lugar dele. É fato, infelizmente, que me deparei sempre com o choque de gerações ao perceber que, em dadas situações, faz bem pra gente, deixar o coitado sê-lo. às vezes a gente se sente idiota e nem para pra pensar que, em muitas circunstâncias, se ficássemos na nossa, de boa, dificilmente passaríamos por aquele constrangimento.

Fica a lição nova, aprendida na prática por este que vos bloga. Interessante, percebi hoje de manhã ao acordar que Machado de Assis, em seu Apólogo, já atentava para essas circunstâncias, mas, como todo bom choque de gerações, a percepção machadiana não trespassou de imediato o meu campo de abstração, apesar de o próprio ressaltar seu teor de fábula. Fica o aviso...

Um Apólogo - Machado de assis

INSTAGRAM FEED

@ricardandrade2008